quarta-feira, 28 de julho de 2010

Oleões em Montenegro!

EQUIPAMENTOS:
Já foram colocados, em quatro pontos da Freguesia de Montenegro, oleões para óleos alimentares. Os óleos devem ser colocados em garrafas de plástico e posteriormente no oleão. Os locais de recolha são, na rua Júlio Dinis junto à rotunda desnivelada, rua Abel Viana com rua do Emigrante, rua Aquilino Ribeiro com rua Alberto Marques e na entrada para a Ilha de Faro.

Ajude-nos a melhorar o ambiente.
Junta de Freguesia de Montenegro

Fonte: Facebook

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Workshop Eco-Construção no Mediterrâneo

No âmbito das suas actividades, a Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da Universidade do Algarve (CRIA) encontra-se a desenvolver numa colaboração internacional até meados de Setembro de 2011 o projecto InsMED, financiado ao abrigo do Programa da Comunidade Europeia “MED 2007-2013”.
O projecto é liderado pela Câmara de Comercio e Industria de Marselha (França), tendo como parceiros a Universidade do Algarve (Portugal), a Câmara de Comércio e Industria de Messinian (Grécia), e a Universidade Politécnica de Barcelona (Espanha), visando a estruturação de um cluster de eco design/construção, e a difusão de tecnologias inovadoras na região MED.

Subordinado ao tema terá lugar no próximo dia 29 de Julho de 2010, na Sala de Seminários da Reitoria (Biblioteca Central) do Campus de Gambelas, o Workshop Eco-Construção no Mediterrâneo. O evento contará com contributos de uma empresa no sector e de investigadores da Universidade do Algarve, bem como a apresentação de resultados do projecto InsMED relativamente à estruturação do sector.
Neste sentido, gostaríamos de convidar V. Exa. a participar no evento, e contribuir para o desenvolvimento da temática.
As inscrições, a realizar até ao dia 28 de Julho de 2010, poderão ser realizadas através do endereço: Inscrição

sábado, 24 de julho de 2010

Número 2 (Junho) do volume 10 da Revista de Gestão Costeira Integrada

Foi recentemente publicado na forma de “e-journal” o número 2 (Junho) do volume 10 da Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management ( http://www.aprh.pt/rgci/).

Este número pode ser acedido no endereço http://www.aprh.pt/rgci/revista10f2.html, e integra os seguintes artigos:

Mudanças Climáticas e a Vulnerabilidade da Zona Costeira do Brasil: Aspectos ambientais, sociais e tecnológicos / Climate Changes and Vulnerability of the Brazilian Coastal Zone in its Environmental, Social, and Technological Aspects <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-206_Nicolodi.pdf>, de João Luiz Nicolodi, Rafael Mueller Petermann

Variação da linha de costa e balanço sedimentar de longo período em praias sob risco muito alto de erosão do município de Caraguatatuba (Litoral Norte de São Paulo, Brasil) / Long-term shoreline changes and sedimentary budget in beaches under very high risk of erosion in Caraguatatuba County (São Paulo Northern Coast, Brazil) <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-176_Souza.pdf>, de Celia Regina de G Souza, G. da C. Luna

Gestão ambiental integrada em Portos Organizados: uma análise baseada no caso do porto de Rio Grande, RS - Brasil / Integrated environmental management in Organized Ports: an analysis based in the Rio Grande port, RS – Brazil <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-171_Koehler.pdf>, de Pedro Henrique Wisniewski Koehler, Milton Lauforcade Asmus

Risco Ambiental na zona costeira: uma proposta interdisciplinar de gestão participativa para os Planos de Controle a Emergências dos portos brasileiros <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-173_Barros.pdf>, de Sergio R. S. Barros, Julio Cesar Wasserman, Gilson B. A. Lima

Avaliação das concentrações de metais pesados no sedimento, na água e nos órgãos de Nycticorax nycticorax (Garça-da-noite) na Baía de Sepetiba, RJ, Brasil / Assessment of heavy metal concentrations in sediment, water and organs of Nycticorax nycticorax (Black-crowned Night Heron) in Sepetiba Bay, Rio de Janeiro, Brazil <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-186_Ferreira.pdf>, de Aldo Pacheco Ferreira, Marco Aurélio P. Horta, Cynara de Lourdes Nóbrega da Cunha

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Fuseta: Ilha recebe primeira bandeira azul numa paisagem sem casas mas com máquinas

A Ilha da Fuseta, em Olhão, recebeu pela primeira vez a bandeira azul, enquadrada numa paisagem onde já não existem casas embora ainda hajam máquinas a remexer o areal.
A atribuição do galardão assinala o fim da primeira fase das obras de requalificação paisagística da ilha que levaram à demolição de construções e a uma intervenção de emergência para consolidação do cordão dunar.
Depois de um inverno rigoroso, durante o qual a natureza destruiu cerca de 50 casas, a ilha “renasceu” e pôde a partir dos primeiros dias de julho começar a receber os banhistas através do novo cais de embarque.
Os veraneantes com quem a Lusa falou são unânimes em dizer que não têm saudades do tempo em que as casas polvilhavam a paisagem da Fuseta e que a “nova” ilha é no fundo como um “regresso ao passado”.
“Havia muitas casas mas não havia ordenamento nem saneamento corretos”, diz um banhista de Lisboa e que ali passa férias há dez anos, congratulando-se com o facto de a praia estar agora “mais natural”.
Contudo, João Ferreira é da opinião que a ilha deveria ter mais e melhores apoios de praia, sanitários e espaços de lazer para que as pessoas possam desfrutar do espaço da forma “mais natural possível”.
Outro banhista com quem a Lusa falou ainda se recorda de como era a ilha há 40 anos, altura em que não havia casas, tal como agora, pelo que diz que olhar para a Fuseta como está agora só lhe traz boas recordações.
Mais triste fica quando olha para a praia da cidade que o viu nascer, Faro, onde considera estar a ocorrer um crime ambiental sem memória, pelo que defende que deveria ser feita uma “limpeza” tal como na Fuseta.
“Conheço bem a ilha de Faro, desde o tempo em que ainda pertencia aos algarvios e aos farenses, mas agora aquilo é uma desgraça e até me dá vontade de chorar só de falar nisso”, desabafa.
Contudo, acredita que daqui a 10 ou 20 anos, se não houver intervenção humana, o mar há de encarregar-se de “deitar aquilo tudo abaixo” já que, diz, tal como ficou provado na Fuseta, a natureza vai buscar o que é seu.

A bandeira azul foi hasteada na presença da secretária de Estado do Ordenamento e das Cidades, Fernanda do Carmo, de vários representantes da Marinha e das autoridades locais.
Segundo a secretária de Estado, a tarefa que se segue é concluir a abertura da barra definitiva, no sítio da Toca do Coelho, a nascente do canal da Fuseta, depois de a barra aberta no inverno pelo mar já ter sido fechada.
Após a época balnear, a Sociedade Polis Ria Formosa retomará os trabalhos de requalificação e passará à execução do plano de praia, que inclui a construção de apoios de praia definitivos e de passadiços sobre elevados.
Fonte: Região Sul
Imagem:

domingo, 18 de julho de 2010

Águas do Algarve investe 10 milhões de euros nas ilhas da Culatra, Armona e Farol

O investimento efectuado é para levar água e tratar o saneamento nas ilhas de Faro e Olhão

Após realização de três sessões de esclarecimento ao Plano Sinalizador e condições de navegação na Ria Formosa foi dada como concluída a execução das infra-estruturas que servem de água potável e de redes de drenagem de efluentes domésticos, aos núcleos urbanos das ilhas da Armona e Culatra / Farol.


Foi fundamental a realização das três sessões de esclarecimento que a Águas do Algarve efectuou, recorde-se em Faro – Salão Nobre da CMFaro, na Ilha da Culatra – Associação de Moradores, e em Olhão, no auditório do IPIMAR. Estas sessões de sensibilização e de esclarecimento dirigiram-se essencialmente a todos aqueles que navegam na Ria Formosa, nos locais onde as infra-estruturas de água e saneamento estão implantadas, tendo sido sublinhada em todas as sessões, o carácter de importância que deve ser dado ao respeito pelo cumprimento das regras e das sinalizações colocadas para toda a navegação.

É de salientar que a qualidade do serviço prestado a estas populações, quer no que se refere ao abastecimento de uma água de elevadíssima qualidade para consumo, quer no que diz respeito à recolha dos efluentes domésticos destas ilhas, depende da integridade das infra-estruturas construídas.

A implantação da tubagem de água liga o Continente à Armona, atravessando o Canal de Marim, e a Armona à Culatra através da Barra Grande ou do Lavajo, ficando assim as duas ilhas ligadas ao Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água do Algarve.

No que concerne aos efluentes, foi colocada uma tubagem paralela à tubagem da água, sendo que os esgotos gerados nas duas ilhas serão encaminhados para o continente onde serão posteriormente tratados na ETAR de Olhão Nascente.

Fonte: Região Sul

Imagem:

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Ministra diz que todas as áreas de risco na costa algarvia estão identificadas

A ministra do Ambiente, Dulce Pássaro, considerou que não há necessidade de intervenção adicional de fiscalização nas zonas costeiras de risco, sustentando que todas as áreas de risco na costa algarvia foram já identificadas.


Dulce Pássaro falava esta quarta feira no final do Conselho de Ministros, depois de o Governo ter aprovado um decreto que estabelece coimas para quem destrua ou remova sinalética ou barreiras de proteção em zonas costeiras.

De acordo com a tese da ministra do Ambiente, a Administração Regional de Bacia Hidrográfica do Algarve “fizeram a inventariação de todas as zonas que necessitavam de intervenção”, lembrando, depois, que esta entidade dispõe de “especialista”, como os geólogos.

“Pela informação que me foi fornecida, todas as intervenções que se justificaram foram feitas. A sinalética está praticamente toda colocada”, disse.

Em relação aos meios de fiscalização, Dulce Pássaro referiu que essa competência está atribuída às capitanias dos portos, as entidades policiais e as entidades administrativas.

“Consideramos que não há necessidade de intervenção adicional. Esta é apenas mais uma área que será objeto de fiscalização”, defendeu.


Interrogada sobre se nas zonas costeiras já estão disponíveis informações sobre avisos de segurança em inglês, a ministra do Ambiente reconheceu que falta completar o trabalho de tradução no caso dos folhetos, o que já não acontece com as placas.

Fonte: Região Sul

Imagens:

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Plantar Portugal, um desígnio nacional!

Caros amigos,
Bem-vindos todos aqueles que recentemente se juntaram a nós em torno deste importante desígnio nacional que é Plantar Portugal.
Na última vez em que apelámos no sentido de convidarmos os nossos amigos, colegas de trabalho, familiares, a se juntarem a nós e nos ajudarem a fazer crescer o Movimento Plantar Portugal, rapidamente passámos dos 480 para os 813 membros registados no nosso site.
Esta semana lançamos novo apelo, mas desta vez com uma meta concreta a atingir. Ajudem-nos a chegar aos 5000 membros registados para que em Novembro, na 1ª Edição da “Semana da Reflorestação Nacional”, possamos dar um contributo expressivo em prol da sustentabilidade ambiental no nosso país e fazermos dessa semana uma grande celebração, com muito convívio à mistura.

Se cada um dos 813 membros conseguir trazer 5 novos membros, então daremos um passo muito importante para atingirmos os objectivos propostos.
É fundamental começarmos já a multiplicar o número de membros. O momento é agora!

Imagem:

sábado, 10 de julho de 2010

Faro vai ter seis pontos de carregamento para carros eléctricos

A cidade de Faro vai contar já em 2010 com seis pontos de carregamento para carros eléctricos, anunciou a Autarquia em comunicado.


Faro faz parte da rede piloto de pontos de carregamento que serão criados em todo o país, onde serão instalados 19 pontos no seu total.

“Suportados pelo aparecimento de uma rede de serviços, semelhante ao sistema multibanco, os possuidores de veículos eléctricos irão poder dispor de um cartão de abastecimento que lhes permitirá abastecer em qualquer ponto, independentemente da empresa fornecedora de energia”, refere a Câmara de Faro.



Esta rede de abastecimento, designada por Mobi.E, tem um âmbito nacional e abrange 25 cidades, entre as quais se conta Faro, o que, diz a Autarquia, “permitiu o posicionamento pioneiro da cidade na adopção de novos modos de transporte sustentáveis do ponto de vista ambiental que permitem optimizar a utilização racional da energia eléctrica e aproveitar as vantagens da energia produzida a partir de fontes renováveis”.

Largo de S. Francisco, Jardim Manuel Bivar, e Av. da República (entre a EVA e CP) são alguns dos locais escolhidos para receber um ponto de abastecimento.


Fonte:

http://www.regiao-sul.pt/noticia.php?refnoticia=107105


Imagem:

http://www.vehiclevibes.com/wp-content/uploads/2009/08/mcd-charging-car-6460235xsmall.jpg

http://earth2tech.files.wordpress.com/2009/06/renault-ev-charge-plan.jpg

terça-feira, 6 de julho de 2010

Seminário Planeamento e Construção Sustentável

Na próxima 4ª feira, dia 7 de Julho, das 18h30 às 21h vai realizar-se no Anfiteatro 1.3 do Complexo Pedagógico no Campus da Penha um seminário intitulado PLANEAMENTO E CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL.


A entrada é livre mas solicita-se inscrição por email: isedec@ualg.pt ou Tel: 289 800154.
O programa do seminário é:
18:30 Recepção dos participantes
18:35 Boas vindas e Enquadramento
Prof. Ilídio Mestre - Director do ISE
Prof. Vitor Charneca - Director do DEC
18h45 Curso de especialização em Planeamento e Construção Sustentável
Prof. Fátima Farinha
19:00 Cidades Sustentáveis
Prof. Manuela Rosa
19:15 Ordenamento do Território
Prof. Carlos Bragança dos Santos
19:30 Eficiência Energética e Solar Térmico
Prof. António Mortal
19:45 Reabilitação de Edifícios
Prof. Jorge Renda
20.00 Gestão Sustentável da Água
Prof. Manuela Moreira da Silva
20:15 Debate



Imagens:
Ocorreu um erro neste dispositivo