quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Algar quer algarvios a plantar hortas e oferece sementes e adubo

"A ALGAR, empresa responsável pela Gestão do Sistema Multimunicipal de valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos do Algarve, oferece este Natal plantas hortícolas aos algarvios que visitem as suas instações para que criem hortas.

"Em tempo de crise, e subsequentes carências alimentares, há necessidade de desenvolver soluções que permitam o auto sustento e plantar plantas horticolas é uma das respostas", considera a Algar em comunicado de imprensa.

Com o objectivo de viver o Natal de 2010 de forma "mais verde", a ALGAR convida todos os algarvios a criar a sua própria horta, que além de ser um "hobby ainda traz vantagens económicas ao proporcionar legumes mais baratos e saborosos".

Além da entrega de plantas e sementes hortícolas, a ALGAR entrega também aos interessados o Nutriverde, um composto agrícola orgânico 100 por cento natural, criado pela própria empresa a partir de resíduos verdes depositados nos ecopontos, para melhores produções agrícolas".

Notícia publicada pelo Observatório do Algarve em 22-12-10

Sítio da ALGAR

domingo, 19 de dezembro de 2010

Existirá vida para além do carro?! (2) *

Os dinamarqueses descobriram que sim!

E ao contrário do que alguns temiam, as limitações ao trânsito no centro de Copenhaga não só não prejudicaram o comércio como permitiram a dinâmica incrível que se vê nas imagens!

Claro que sendo o clima de Faro um bocado diferente, não teremos as mesmas potencialidades... ;-)



Copenhaga começou a tomar medidas para travar a "invasão de carros" no início dos anos 60 e actualmente, para além de ruas fechadas ao trânsito e 18 parques de estacionamento no centro transformados em espaços públicos, há também zonas "partilhadas" onde carros, bicicletas e peões se misturam, graças a medidas para “acalmar” o trânsito. Os limites de velocidade em grande parte da cidade são de 30 - 40 km/h - mas nalgumas zonas residenciais chegam a ser de 15km/h, dando prioridade aos moradores.

Fonte: Copenhagen’s Car-Free Streets & Slow-Speed Zones - Clarence Eckerson, Jr. 04/08/2010

* O post (o 2º com este título) vem na sequência de “Continuando o diálogo lançado em “Cidades pela Retoma”: pistas (1)” (Glocal Faro, 8/12/10)

Progresso em Cancún? (Mensagem da 350.org)

«Não é algo que a gente ouça muitas vezes quando se trata de negociações de clima: "houve progressos".

Às 4 da manhã de sábado 11 de dezembro em Cancun, os delegados saíram das negociações da ONU, todos eles precisando dormir e a maioria deles sorrindo. Tinham conseguido chegar a um acordo que servirá de base para conversações futuras. Os acordos que saíram de Cancun não serão suficientes para fazer o mundo regressar aos 350 – mas já são um vislumbre de um caminho que talvez nos leve nessa direção.

O sentimento de ímpeto que veio de Cancun foi revitalizante: os países reconstruíram a confiança, e enfrentaram assuntos difíceis como a desflorestação e a transparência. Esta confiança estava seriamente sob suspeita depois do fracasso, no ano passado, das negociações de Copenhague – e até mesmo nas horas finais das negociações em Cancun.

Estes países vão agora ter de negociar com o clima mundial – e a física e a química que governam o clima não aceitam negociações.
Após o modesto progresso conseguido em Cancun, é tentador ignorar o fato de que os delegados acima de tudo evitaram o verdadeiro cerne das negociações: exatamente quanto é que os países vão reduzir as suas emissões que estão aquecendo o planeta?

Na realidade, os compromissos que agora constam do texto da negociação continuam grosseiramente desadequados, deixando o planeta numa rota de colisão com pelo menos 4 graus centígrados de subida de temperatura – uma perspetiva aterradora que nos colocaria mais perto das 750ppm que das 350ppm. Isto é muito distante de onde deveríamos estar, e esse fosso não vai ser transposto se simplesmente ficarmos à espera da convenção do próximo ano, em Durban, na África do Sul.

Para ultrapassar o fosso entre a necessidade científica e a possibilidade política, temos de lutar contra a influência dos grandes poluidores no processo político.
No final da semana passada, milhares de vocês se manifestaram em apoio ao países mais vulneráveis, enviando suas mensagens de solidariedade de todos os cantos do mundo. A nossa equipe em Cancun entregou as vossas mensagens diretamente para os delegados, e os recordou do quanto o mundo está contando com eles para fazerem frente aos grandes poluidores.

Ao construir um movimento de clima em torno das soluções que a ciência e a justiça exigem, ajudámos a manter vivo este processo quando os grandes poluidores tentaram destruí-lo. Deixámos bem claro o que diz a ciência. E graças às vossas mensagens de solidariedade, fortalecemos as vozes das nações vulneráveis, que juraram manter viva a luta por acção corajosa em termos de clima.

Nos meses e anos que se seguem, essa vai continuar sendo nossa luta também. Nas últimas horas das conversações de Cancun, os membros da equipe da 350.org estavam no grupo de pessoas que se mantinham pacificamente à entrada das salas de negociação enquanto lentamente contavam até 21.000, o número de mortes atribuídas a desastres relacionados com o clima nos primeiros nove meses deste ano. Ao fim de duas semanas de negociações abstratas, este evento vem recordar de forma pungente aquilo que está em jogo nesta luta – e a força dos laços que ligam esta rede global.
Alguns de vocês ao receberem este e-mail vão estar desejando que nós condenássemos os acordos que saíram de Cancun – assim como vai haver aqueles de vocês que gostariam que a gente chamasse a essa uma vitória cheia de esperança.

Mas nós não nos envolvemos neste movimento para condenar ou aplaudir: estamos nisto para vencer.

Para isso, temos de ganhar primeiro o capitólio do nosso país e, para isso, temos de nos organizar em todas as comunidades em que vivemos. Começamos esse trabalho, mas ainda temos muito trabalho pela frente.

Vamos fazer isso com esperança, com paixão, e com  uma determinação a toda a prova. E, acima de tudo, vamos fazer isso juntos.

Em frente»

Fonte: email de May Boeve, em nome da Equipe da 350.org

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Agricultura de varanda: 66 plantas que se dão em vasos

No artigo 66 Things You Can Grow At Home: In Containers, Without a Garden (Planet Green.com) encontra-se uma lista de vegetais variados, ervas aromáticas, árvores de fruto e outras plantas comestíveis que se podem cultivar em vasos!! Algumas mais óbvias, como a rúcula, o tomate, as malaguetas ou a salsa - mas outras mais inesperadas - como variedades de melão/melancia, figos ou batatas.
Vale a pena consultar (mesmo estando em inglês...) , até porque tem links para sites com dicas sobre cada uma delas.
Foto de Jupiterimages/Thinkstock - Fonte: Planet Green.com

Mais umas pistas portanto, para cada um de nós ir avançando na "agricultura urbana" - mesmo sem ter de esperar pela abertura da Horta de Faro! ;-)

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Existirá vida para além do carro?! *

Boa parte dos portugueses possivelmente pensará que não :-(
É que entre os países da Europa dos 15, somos o 3º que mais utiliza o automóvel no transporte de passageiros!!
(85,2% dos transportes era feito nesta modalidade em 2008 - um valor superior aos 83,8% de média na UE15 e só ultrapassado pela Holanda e Reino Unido)
Fonte dados: Eurostat

Mais desmoralizante ainda é que há 10 anos atrás tínhamos um valor bastante abaixo da generalidade dos nossos parceiros europeus, mas o uso do carro tem vindo entretanto a aumentar entre nós, ao passo que noutros países estagnou ou mesmo diminuiu - como é o caso da Dinamarca.
Fonte dados: Eurostat

Se pensarmos que o nosso PIB, está bem no fundo da tabela face a esses 15 países da UE (sendo por exemplo cerca de 2/3 do PIB per capita da Dinamarca!), a “fixação” dos portugueses no automóvel torna-se ainda mais… saliente

Também o número de carros em circulação em Portugal tem vindo a aumentar, tanto em valores absolutos (4 457 000 automóveis em 2009, mais 29% do que 2000!) como relativos (em 2009 havia 4,2 veículos por cada 10 habitantes, quando em 2000 a taxa era de 3,4). Um crescimento que ainda por cima foi bem mais acentuado que o do nº de pesados de passageiros, nesses mesmos 10 anos (11%) ... (Fonte dados: IMTT )


Alguém conhece dados de Faro/Algarve?

Encontra dados e comentários adicionais sobre este tema no Blogue «Menos um carro» - neste texto e noutros sobre a nossa carro-dependência

* Este post vem na sequência de “Continuando o diálogo lançado em “Cidades pela Retoma”: pistas (1)” (Glocal Faro, 8/12/10)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Continuando o diálogo lançado em “Cidades pela Retoma”: pistas (1)

O fenómeno de esvaziamento do centro das cidades (cada vez mais penosamente evidente em Faro), a par do crescimento (no caso, desordenado) das periferias, está interligado com um outro: a dependência do automóvel, que tão fortemente nos caracteriza.

Assim um não se poderá resolver sem considerar o outro - e ambos parecem essenciais para repensar Faro.

Mas... existirá vida para além do carro?!? ;)
Essa é a questão que se irá explorar em próximos posts

sábado, 4 de dezembro de 2010

Conferência 'Cidades pela Retoma' - Faro

Realizou-se ontem em Faro a conferência "Cidades pela Retoma: Competitividade e Território". Organizada pela Associação Faro 1540, em parceria com a Sociedade Recreativa Artística Farense, a convite do Movimento Cívico 'Cidades pela Retoma' , a iniciativa visava:
«desenvolver em Faro um fórum de debate que deverá mobilizar os cidadãos a participar num exercício de reflexão colectiva sobre o papel das cidades na actual fase de desenvolvimento do país, que vise identificar e avaliar os seus recursos com potencial para o desenvolvimento económico e social e ajudar a definir uma ‘agenda local para a retoma’».
O evento iniciou-se com o visionamento de um pequeno vídeo de sátira ao actual sistema financeiro (“The Last Laugh – Subprime” - link aqui, legendado em português). 
Seguiram-se, como previsto, comunicações do presidente da Câmara Municipal de Faro (Macário Correia), do Director do Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve (Ilídio Mestre) e do professor universitário e Comissário da Faro Capital Nacional da Cultura 2005 (António Rosa Mendes), e um debate envolvendo os cidadãos e associações presentes (incluindo membros do Glocal Faro).

Ainda que não se tenha conseguido avançar tanto quanto seria desejável na discussão de perspectivas concretas de actuação em Faro, parece muito positiva e oportuna esta iniciativa de estimular o debate público em torno do tema.
Que, na nossa perspectiva, não deverá porém esquecer que os objectivos de valorização económica não se podem desligar de considerações sociais e ambientais (afinal os 3 pilares da sustentabilidade!). E que as lógicas de funcionamento anteriores, foram as que nos conduziram às actuais crises financeira, social, ecológica…

Esperamos pois que o diálogo continue, gerando ideias (e vontades!) para acção na cidade de Faro.
Aqui no Blogue procuraremos ir dando o nosso contributo.
Porque não deixar também o seu comentário ou até sugestões de post, links, etc?

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Lisboa vai construir maior parque hortícola urbano do País

O Vale de Chelas, em Lisboa, vai receber já a partir do segundo semestre de 2011 o maior parque hortícola urbano do País. O projecto já arrancou e deverá albergar mais de seis hectares e meio de hortas.


Aliás, o parque hortícola terá perto de 15 hectares, sendo 6,5 destes destinados às hortas. Para já, serão criados cerca de 400 talhões, cada um com 150 metros quadrados de área.

De acordo com o vereador do Ambiente Urbano e Espaços Verdes, José Sá Fernandes, uma parte destes talhões será atribuída directamente aos cerca de 100 hortelãos que já ocupam o local. Os restantes 300 ficam reservados para um concurso público que se realizará no próximo ano.

A construção da primeira fase do projecto arrancou com a modelação do terreno, o reforço e protecção das encostas, a abertura de caminhos principais e a introdução de uma rede de distribuição de água, com bocas de rega.

A câmara vai também colocar vedações nas hortas, definir caminhos entre elas, colocar plantas, arbustos de bordadura, disponibilizar alfaias e casas de arrumo e, mais tarde, instalar também um equipamento infantil e um quiosque com esplanada.

Finalmente, segundo Sá Fernandes, outro dos objectivos da iniciativa é promover “ a interacção social e a consciência comunitária”, permitindo às famílias de uma zona carenciada o consumo de frescos ou até a venda localizada de alguns produtos.

Artigos Relacionados

http://glocalfaro.blogspot.com/2010/11/hortas-urbanas-em-portugal-mais.html

http://glocalfaro.blogspot.com/2010/10/1-noticia-breve-do-101010-faro.html#links

http://glocalfaro.blogspot.com/2010/10/programa-do-101010-em-faro.html#links

Fonte: GreenSavers

http://www.greensavers.pt/2010/11/29/lisboa-vai-construir-maior-parque-horticola-urbano-do-pais/?utm_source=Green+Savers&utm_campaign=1e154212a3-Green+Savers+Daily&utm_medium=email

Imagem:

http://www.sintrascoopa.com.br/wp-content/uploads/2009/03/Hortas-Urbanas.jpg

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Começa hoje a Cimeira Mundial do Clima de Cancún

Nas próximas 2 semanas os lideres mundiais vão tomar parte na Conferência sobre Alterações Climáticas de Cancún, México (29 Nov.-10 Dez.). Não se esperando que daqui resulte ainda um tratado vinculativo, as negociações poderão ser aproveitadas para um progresso significativo nesse sentido. As perspectivas não são porém  muito positivas...

O site oficial do país anfitrião é cc2010.mx (com transmissões pela net neste link). 

Vários grupos irão seguir de perto o evento, com notícias diárias, por exemplo, no site da Campanha TckTckTck (em http://live.tcktcktck.org/, incluindo histórias em português aqui), ou na página do Facebook da 350.org.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Horta de Faro já tem «Normas»!

O executivo camarário aprovou, no passado dia 3 de Novembro, as «Normas de Gestão e Funcionamento da Horta Social de Faro», que constam do Edital n.º 435/2010, publicitado nos lugares públicos habituais e no site da Câmara Municipal de Faro (pdf 1.7 MB aqui). 
Não temos qualquer informação sobre a data da abertura de inscrições para os 8 talões disponíveis, que aparentemente ainda não terão começado, mas o edital indica como locais para as efectuar, presencialmente ou por telefone, a Divisão de Biblioteca e Arquivos (T.: 289 897 500), a Divisão de Museus, Arqueologia e Restauro (T.: 289 897 400) e o Gabinete de Bairro (T.: 289 872 600), para além da disponibilização de formulário no site www.cm-faro.pt
Os interessados em candidatar-se a um talhão poderão pois procurar mais informações junto desses serviços - muito embora a decisão do Município de restringir a atribuição de talhões a famílias carenciadas e IPSSs  limite naturalmente as possibilidades de acesso...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Workshop sobre Vermicompostagem - Loulé, 20 Novembro

«A produção de resíduos é hoje em dia um dos problemas que mais impacte causa no ambiente, devido não só ao aumento da sua produção, como também ao tipo de resíduos produzidos e aumento da sua perigosidade. Contudo, apesar da produção de resíduos ser inevitável, existem formas de a minimizar e de tornar mais sustentável e menos nociva a sua gestão.

Neste âmbito, a Vermicompostagem é uma das soluções possíveis.
O processo de tratamento e valorização dos resíduos orgânicos através da Vermicompostagem tem consideráveis vantagens competitivas face a outros processos (compostagem, digestão anaeróbica, aterro, etc.), para além de apresentar baixo custo, robustez e originar um produto final de qualidade. A vermicompostagem é ainda um processo ecológico, competitivo e barato.

Neste âmbito, com o objectivo de divulgar e incentivar a utilização desta forma ecológica de tratamento de resíduos, a Câmara Municipal de Loulé irá promover no próximo dia 20 de Novembro, pelas 14h30, na Biblioteca Municipal Sophia de Mello Breyner Andresen, um Workshop sobre Vermicompostagem.

Inscrições gratuitas (máximo de 20 participantes), para o n.º 289 400 890 (Divisão de Ambiente e Equipamentos Urbanos) ou através do e-mail daeu@cm-loule.pt (indicando nome, profissão e contacto (e-mail ou telefone).»
www.cm-loule.pt

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Faro. Seminário sobre agricultura biológica

17 de Novembro. 14h30. Auditório da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional, Praça da Liberdade, 2. Faro

O seminário, organizado pelo Centro Europe Direct, em parceria com o Centro de Documentação Europeia da Universidade do Algarve (UAlg), contará com a presença de 3 oradores: Luís Neto, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UAlg e António Marreiros e Maria Mendes Fernandes, ambos da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve.

Programa

A entrada é gratuita, mas deve proceder a inscrição on-line

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Hortas Urbanas em Portugal - mais exemplos e notícias

As hortas urbanas estão cada vez mais em destaque entre nós! Senão veja-se as notícias publicadas nos últimos dias:

O Departamento de Habitação da Câmara Municipal de Coimbra já tem lista de espera para ocupação das hortas urbanas do Bairro do Ingote. Os 25 talhões com 150 metros quadrados estão todos ocupados e a procura é cada vez maior, adiantou ontem o vereador Francisco Queirós, apontando as questões económicas como uma das justificações para que cada vez mais pessoas queiram ter a sua horta. (...)
(Leia o resto da noticia em Diário de Coimbra)
Em Ponte de Lima, utilizadores falam com entusiasmo das Horta Urbanas onde se colhem "banhos de saúde e pedaços de paz".
(...) "Aqui colhe-se de tudo", diz Cristina, numa espécie de visita guiada às hortas. Fala nas beringelas, "que são boas para o colesterol e a diabetes", nos aipos, "que dão o sabor do sal mas que não contêm sal", e nas calêndulas, "que dizem que são as enfermeiras da horta".(...)
(Leia o resto da noticia em DN Portugal, 02 Novembro 2010)
O município de Vila Franca de Xira vai criar um conjunto de hortas biológicas urbanas no espaço da Quinta Municipal da Piedade, numa parceria com a Associação Portuguesa de Agricultura Biológica (AGROBIO).
(...) A escolha da Quinta Municipal da Piedade baseou-se no facto de esta reunir ter “áreas de terreno adequadas ao cultivo e por estar integrada no espaço urbano da cidade da Póvoa de Santa Iria”.
(...) O projecto prevê também várias actividades, como palestras para a população escolar, visitas para as famílias e a possibilidade de desenvolvimento de uma cadeira de horticultura biológica na Universidade Sénior de Vila Franca de Xira.(...)
(Leia o resto da noticia em Público, 03.11.2010)
Também Vila Real vai ter mais de dois hectares de hortas urbanas (...)
(Leia o resto da notícia em A Voz de Trás-os-Montes - Expresso, 28 de Outubro de 2010)

Mas o interesse pelo tema reflecte-se também a outros níveis.

Colóquio «Hortas urbanas: A fusão do campo com a cidade» realizado no passado dia 02 de Novembro, na Universidade de Coimbra.
(...)Para Jorge Cancela, coordenador da Associação de Valorização Ambiental da Alta de Lisboa (AVAAL), e um dos convidados deste colóquio, “a agricultura urbana é uma das áreas de maior interesse de implementação pela sua capacidade de gerar micro-rendimentos familiares, promover a coesão social, fomentar as relações inter-geracionais e inter-culturais, melhorar o solo local, contribuir para o equilíbrio do ciclo hidrológico urbano, entre outros benefícios”. (...)
(Leia o resto da noticia em Campeão das Províncias, 29.10.2010)
Dossier : L’agriculture urbaine : un outil multidimensionnel pour le développement des villes et des communautés
A agricultura urbana e peri-urbana é o tema desta publicação científica... em língua francesa...
«(...)800 milhões de pessoas em todo o mundo praticarão agricultura urbana. Destes, 200 milhões prouzem para o mercado e 150 milhões deles fazem-no a tempo integral. Estas pessoas são responsáveis por cerca de 15% da produção mundial de alimentos. Uma percentagem que se estima possa dobrar na próxima geração. Desde 1996, os dados disponíveis em algumas cidades têm mostrado um aumento no número de produtores, da produção e do valor desta actividade urbana. Embora a maioria das pessoas que praticam a agricultura urbana vivam em países em desenvolvimento, muitos também são de países industrializados.
Esta edição da Vertigo - revista electrónica de ciências do ambiente - publica artigos que abordam esta que é uma ferramenta de desenvolvimento, mas também de sociabilidade urbana, de gestão sustentável das cidades, etc. Este dossier mostra que a agricultura urbana é um elemento chave da sustentabilidade.»
(Leia o resto em VertigO, Vol. 10, n.º 2, Septembre 2010)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

1.º Encontro Regional de Voluntariado Ambiental para a Água - 17 e 18 de Novembro

«No âmbito do projecto “Voluntariado Ambiental para a Água”, a ARH do Algarve promove o 1º Encontro Regional de Voluntariado Ambiental para a Água. Este evento pretende divulgar e sensibilizar o cidadão para o valor e a importância do voluntariado, promovendo a partilha de conhecimentos e experiências nacionais, dando especial enfoque ao papel dos voluntários e ao seu contributo na monitorização e valorização dos recursos hídricos à escala local.»

Conforme Programa incluído neste folheto informativo, o Encontro terá início no dia 17 de Novembro, no
Campus da Penha da Universidade do Algarve, em Faro, com uma componente teórica, estando agendada para o dia 18 de Novembro uma saída de campo (teórico-prática) na Ribeira do Algibre, em Paderne.

A inscrição é gratuita mas obrigatória e deve ser formalizada até 15 de Novembro de 2010. Para mais informações e inscrições, consultar a página da Internet da ARH do Algarve (www.arhalgarve.pt) ou contactar a Dr.ª Inês Teixeira através do telefone 289 889000 ou do e-mail iteixeira@arhalgarve.pt.

domingo, 24 de outubro de 2010

Somos Blogue da Semana no Green Savers

O Green Savers, um portal e agregador de notícias sobre sustentabilidade, escolheu o Glocal Faro para destaque da semana  :-)


Portal Green Savers: http://www.greensavers.pt/
 Aproveitem para conhecer melhor o Green Savers através do portal, ou ainda no Facebook (www.facebook.com/greensavers) e no Twitter (www.twitter.com/greensavers)

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Hortas biológicas dão trabalho a dez beneficiários do RSI (Póvoa de Lanhoso)

As hortas biológicas comunitárias que a Câmara da Póvoa de Lanhoso dinamiza num terreno de Calvos dão trabalho a uma dezena de pessoas, no âmbito de um programa de Serviço Comunitário, disse hoje, quarta-feira, fonte do município.

A vereadora Fátima Moreira, do PSD, adiantou à Lusa que as pessoas abrangidas pelo programa são beneficiárias do Rendimento Social de Inserção e que cabe à Câmara, através do Banco de Voluntariado, assegurar o seu transporte.

As hortas biológicas comunitárias ficam em terrenos da autarquia no exterior do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos, uma árvore centenária ali existente. Os produtos frescos produzidos integram os cabazes distribuídos pela Loja Social municipal a famílias carenciadas.


Fátima Moreira salienta que os participantes estão distribuídos por grupos, que asseguram o trabalho de segunda a sexta feira.

No terreno de cultivo, cada um trabalha entre três e meia a quatro horas por semana, retribuindo, assim, o subsídio estatal que recebe e reforçando a sua responsabilidade social.

Sob orientação de técnicos, estes agricultores aplicam as técnicas de produção biológica em tarefas que envolvem o controlo de ervas, tratamentos, sementeiras, e colheitas.

A sua lavoura permite retirar da terra alimentos como couves, tomates, cebolas, curgetes, nabiças, nabos, espinafres, pimentos, pepinos, melancias, abóboras, batas, e outros.

Segundo a autarca, pretende-se descentralizar o projecto, para reforçar o apoio social: "O sucesso alcançado remete-nos para a possibilidade de criarmos uma rede de hortas sociais, nas freguesias", assinala.

Com essa rede - acrescenta - o município "alargará o número de beneficiários e aumentará a capacidade de produção, podendo ajudar um leque mais alargado de famílias".13/10/2010 em:http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?distrito=braga&concelho=p%f3voa%20de%20lanhoso&option=interior&content_id=1684828


quarta-feira, 13 de outubro de 2010

terça-feira, 12 de outubro de 2010

O Campo Vem à Cidade -Agricultura Biológica, Mercado e Consumo Sustentável

Autor: Monica Truninger 

 SINOPSE:
Os produtos biológicos, elaborados com um teor mínimo de fertilizantes minerais e pesticidas, têm vindo a incorporar as dietas alimentares dos consumidores de vários países do mundo. Segundo diversos especialistas, estes alimentos são entendidos como um importante veículo para a concretização de esforços em prol da produção e consumo sustentáveis. E qual é o estado actual da agricultura biológica em Portugal? O que pensam os consumidores sobre os produtos biológicos? Os dados quantitativos e qualitativos analisados no livro permitem descrever as principais fases históricas do desenvolvimento da agricultura biológica no país, caracterizar o mercado agro-alimentar biológico, avaliar as justificações para o consumo «bio», e identificar as principais estratégias que os consumidores utilizam para seleccionar e confiar nestes alimentos. O livro constitui, assim, um inédito contributo no panorama nacional para a compreensão de práticas alimentares biológicas de um grupo de consumidores residentes na capital.
Em Link para Ficha Técnica: http://www.wook.pt/ficha/o-campo-vem-a-cidade/a/id/9583295/filter/

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

1ª notícia breve do 10/10/10 Faro

Foto: Rolando Oliveira
O "Faro que te quero verde. Faça parte da Horta Urbana" juntou cerca de uma centena de pessoas que afirmam haver soluções práticas para a crise climática, mostrando que cada um de nós e todos juntos podemos fazer muito pelo ambiente. Foi este o compromisso de Faro. Os participantes envolveram-se na primeira horta biológica urbana da cidade, plantando, trocando sementes e experiências e assumindo juntos compromissos para uma cidade mais verde e sustentável. O ambiente foi descontraído e acolhedor, mesmo com chuva! e parece que todos gostaram. Uma tarde a repetir. Para continuar a dizer que FARO PLANTA O FUTURO JÁ
Foto: Malin Lofgren
Estas duas fotos foram seleccionadas pela 350.org para constar no seu álbum flickr (uma delas entre as 41 melhores fotografias de alta resolução da Global Work Party na Europa!)
 
Colocámos já várias fotos do evento na página 10/10/10 aqui do blogue
   Encontram essas e também algumas outras nos nossos albuns online
 Mas há MUITAS mais, fantásticas - como a tarde o foi!!

Em breve voltaremos com mais pormenores, mais fotografias, ... mais pistas para continuarmos!
(mas por agora vamos recuperar fôlego ;-)

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

O 10/10/10 Faro na Comunicação Social

Nos últimos dias saíram na imprensa regional e nacional bastantes referências à horta urbana a criar! mas infelizmente sobretudo centradas na polémica entre o PS e o PSD quando à sua localização, quase sempre não incluindo ou até distorcendo informação sobre o evento em Faro e a iniciativa 10/10/10...
E isto apesar do material que o GLOCAL- Faro e a 350.org têm vindo a distribuir à comunicação social (podem consultar neste link o que foi divulgado desde o passado dia 4 de Outubro, bem como novo material que entretanto será distribuído).

Esperamos que, com o aproximar da data, novas notícias surjam na imprensa, mais informativas sobre o que em 10/10/10 se irá passar em Faro - e valorizando o lugar de destaque que a nossa cidade pode ocupar na procura de soluções locais contra as alterações climáticas, pois a 350.org está dar particular relevo à nossa acção quer a nível nacional, quer europeu!!

Mas entretanto, já hoje, 6ªfeira, às 18h10 poderão ouvir a entrevista do GLOCAL>Faro na Rádio Universitária do Algarve - RUA, FM (em 102.7 e também em www.rua.pt)!

sábado, 2 de outubro de 2010

domingo, 19 de setembro de 2010

10/10/10 Faro: Adira e Divulgue!

Com o Glocal-Faro a trabalhar nos detalhes da programação do evento 10/10/10 na nossa cidade e a Câmara Municipal de Faro a avançar na preparação do terreno da Horta Urbana, está na hora de se juntar também a esta mobilização!
  • Reserve na sua agenda a tarde do dia 10 de Outubro
  • Inscreva-se no evento, no site 350.org
  • Divulgue por todos os seus contactos
  • E se puder ajudar na organização envie-nos email!

Em breve divulgaremos o programa do evento

Só a participação de todos pode dar a esta acção a dimensão que a crise climática merece

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Novidades 10/10/10 !! Faro vai ter uma Horta!

O Glocal-Faro propôs e a Câmara Municipal de Faro acolheu com entusiasmo a ideia de criação de uma Horta Urbana na nossa cidade!! A 10/10/10 vamos pôr as mãos à terra e tornar Faro mais apetecível.

Em breve daremos detalhes de como podes participar nesta «festa de trabalho» que vai acontecer no próximo dia 10 de Outubro. Mas regista-te já no site do evento (aqui), para ires recebendo notícias actualizadas.
E se entretanto quiseres ajudar na própria organização do acontecimento, manda-nos um email (para aqui)!

Uma cidade mais verde e alimentos frescos e saudáveis produzidos bem perto da nossa porta /prato são caminhos de um futuro sustentável que todos podemos construir …desde já!

Contamos contigo


 

domingo, 29 de agosto de 2010

Outros exemplos de agricultura urbana - Europa

● Um fantástico exemplo de aproveitamento de espaço abandonado no centro de Berlim (o vídeo é em inglês, mas, como dizem, as imagens valem mais que …): www.monocle.com/sections/business/Web-Articles/Prinzessinnengarten/

One Pot Pledge® é uma campanha a decorrer no Reino Unido que se propõe envolver 30.000 pessoas que nunca experimentaram cultivar nada – assumindo a “Promessa de um Vaso”, os interessados comprometem-se plantar 1 planta comestível durante este ano! www.onepotpledge.org/

GROFUN/”Growing real organic food in urban neighbourhoods” (Cultivando comida orgância em bairros urbanos”) pretende aumentar produção e nº de produtores de alimentos urbanos, incluindo, entre outras iniciativas, eventos de convívio e o projecto “Many Hands”. Aqui quem não tem espaço próprio pode envolver-se na horta partilhada; mas quem queira ajuda de outros no cultivo do seu próprio terreno, pode também consegui-lo em troca de um contributo para o projecto comum: www.grofun.org.uk (há também um grupo de discussão online http://groups.yahoo.com/group/GROFUN/ e uma página no Facebook)

CapitalGrowth é uma campanha a decorrer em Londres com diversas actividades que visam “ajudar os londrinos a transformar a capital criando 2012 novos espaços para cultivar alimentos até ao final de 2012” : www.capitalgrowth.org

Incredible Edible Todmorden: Enquanto em Copenhaga se decidia ou que se iria ou não fazer, uma comunidade de Londres mostrava com esta iniciativa, que “pretende aumentar a quantidade de alimentos produzidos e consumidos na cidade”, como localmente se pode “fazer a diferença”. Para que outras “incríveis comunidades comestíveis” :-) vão surgindo, propõem nomeadamente “10 for ’10” :”10 propostas práticas, bem viáveis, que se podem concretizar já em 2010. Leia sobre estas propostas bem simples e as actividades locais em www.incredible-edible-todmorden.co.uk/

● De natureza bem diferente, a “Food Climate Research Network” é uma rede investigação que procura compreender melhor como é que o sistema alimentar contibui para a emissão de gases de efeito de estufa e investigar e promover modos de os reduzir, estando presente no Facebook

Outros exemplos e links de agricultura urbana - Portugal

Sobre agricultura... "de varanda”!
"Qualquer espaço dá para fazer uma horta ou uma mini-horta. Só tem de se adaptar o que se pretende cultivar ao espaço", explica Sofia Lobo. Um quintal pode ser um bom local para plantar, assim como uns vasos na sua varanda, caso more num apartamento. "É algo que os ingleses fazem desde há muito, os chamados kitchen gardens e que, felizmente, têm vindo a ganhar cada vez mais adeptos em Portugal", diz. As preferências dos "agricultores de varanda" passam pelas ervas aromáticas e condimentares. De entre os legumes, as alfaces são as preferidas, mas há muitos que cultive de tudo, até batatas em vasos.
Nos cursos da Fundação Biológic@ aprende-se como controlar e tratar pragas sem químicos, assim como fertilizar as plantas sem usar adubos artificiais(…).
Excerto de notícia no Diário de Notícias, 04-04-2010 (http://dn.sapo.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=1535624&seccao=Biosfera)

         Um blogue pessoal/fotos: http://cantinhoverde.blogspot.com/2007/11/mais-umas-fotos.html


Permacultura Urbana - Portugal: http://permaculturaportugal.ning.com/group/permaculturaurbana (Rede Social)

Guerrilla Gardening/“Jardinagem de Guerrilha” - Portugal: http://guerrillagardening.org/community/index.php?board=171.0 (Rede Social)
http://www.facebook.com/group.php?gid=113904988644294&ref=ts (Facebook)

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Ciclo de Tertúlias - A prática da Aquacultura

O Núcleo Regional do Sul da Associação Portuguesa de Engenharia do Ambiente organiza, dia 8 de Setembro, em Faro, uma tertúlia sobre «A Prática da Aquacultura».

A iniciativa está inserida no ciclo de tertúlias «Recursos Naturais» que tem vindo a ser promovido por aquela associação, servindo para “apresentar, esclarecer e debater o desenvolvimento da aquacultura no contexto regional do Algarve”.

O evento contará com a presença de representantes de várias instituições, como a direcção regional de Agricultura e Pescas do Algarve, Instituto de Investigação das Pescas e do Mar, Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve e Associação Portuguesa de Aquacultores.

A tertúlia realiza-se dia 8 de Setembro, no Pátio B@r/Pátio das Letras, em Faro, entre as 18:00 e as 20:30 horas.

Fonte: NRS APEA

http://sul-apea.blogspot.com/2010/08/ciclo-de-tertulias-pratica-da.html

domingo, 15 de agosto de 2010

Hortas Urbanas - Exemplos em Portugal

Eis alguns excertos de notícias sobre iniciativas de hortas urbanas em diversos municípios portugueses:

Hortas urbanas conquistam terreno em Portugal
(…) assistimos ao nascimento de novos espaços comunitários por todo o país. Nesta matéria, Lisboa assume-se com uma aposta clara tendo apresentado um plano que prevê, a par do melhoramento das já conhecidas hortas da Quinta da Granja, Vale Fundão e Bairro Padre Cruz, a criação de hortas novas em Campolide e Telheiras. Ainda em Lisboa, merecem igualmente destaque dois projectos que têm ambos lugar na Alta de Lisboa. Um deles levado a cabo pela Escola 34 que transformou um matagal numa horta graças ao envolvimento de pais, professores e alunos que vêem nascer produtos que vão parar directamente à mesa, promovendo desta forma uma alimentação mais saudável. Com outro âmbito mas também na Alta de Lisboa, poderá vir a nascer uma horta comunitária resultado do empenho pessoal do arquitecto paisagista Jorge Cancela, que vê neste projecto uma forma de fortalecimento comunitário ao permitir aproximar moradores realojados das pessoas que escolheram aquele bairro para viver.
Mais a Norte, as referências vão para o projecto “Horta à Porta” (ver caixa) no Grande Porto que conta já com 12 espaços comunitários para cultivo biológico e tem mais de 700 pessoas em lista de espera; Em resposta à crise, Maia viu nascer a primeira horta de subsistência da região do Porto, podendo candidatar-se desempregados ou pessoas que declarem baixos rendimentos. Já Ponte de Lima apostou nas hortas urbanas como instrumento de educação ambiental e alimentar. Outras cidades, como Coimbra (ver caixa) e Funchal, disponibilizaram espaços verdes camarários para o cultivo de pequenas hortas e tornaram esta actividade um elo de convivência social e entre gerações. De Évora vem o exemplo dos já muito requisitados “quitandeiros” que aos sábados e domingos vendem à porta do mercado os produtos que cultivam nas hortas que existem à volta da cidade.
Excerto de notícia em Câmaras Verdes, 06-07-2010. Leia o resto desta notícia, com mais informação sobre os vários projectos em: http://www.camarasverdes.pt/tema-especial/505-hortas-urbanas-conquistam-terreno-em-portugal.html

Ver as plantas a crescer para arejar as ideias
A maior parte são idosos que tinham um pequeno quintal onde moravam em condições precárias, e perderam aquela forma de subsistência quando foram realojados pela Câmara de Gaia em habitação social.
(…) O desalento dos moradores chegou à GaiaSocial, que se preparava para fazer um parque infantil em S. Félix da Marinha. Depressa os planos mudaram e naquele local nasceu antes, em Maio de 2008, uma horta comunitária, com 24 talhões, cada um com 50 metros quadrados. O êxito foi imediato e cedo se formou lista de espera. Laurinda, por exemplo, candidatou-se a um lugar, há dois anos, mal foi realojada naquele bairro e só há dias conseguiu um espaço. Estava delirante, a preparar a terra para receber cultivos. “Vou plantar couves, feijão verde, batatas… enfim, tudo o que couber”, contou, na expectativa de conseguir colher couves para a ceia de Natal.

A Câmara de Ponte de Lima criou o projecto "Hortas Urbanas", distribuindo, pelos munícipes interessados, lotes de terreno para cultivo agrícola (…)
Além do lote de terreno, o Município disponibiliza também um ponto de água destinada à rega das culturas, um abrigo comum para armazenamento dos utensílios agrícolas e um espaço comum para compostagem ou colocação de estrumes.
Fornece ainda informação sobre os modos de produção e práticas culturais ambientalmente correctas e um livro que permitirá a comunicação entre os participantes e o Município de Ponte de Lima.
"A ideia é apelar às boas práticas agrícolas, no âmbito da agricultura biológica", explicou Gonçalo Rodrigues.

Já são 200 os lotes de terras destinados a hortas urbanas entregues pela Câmara Municipal do Funchal (CMF) aos seus munícipes. Um número significativo mas que, ainda assim, está distante da enorme procura que se vem registando, atendendo a que a lista de espera atinge já as três centenas de candidatos.
(…) Costa Neves explicou, ainda, que à medida que os terrenos vão sendo disponibilizados, a câmara tem vindo a dotá-los das infra-estruturas necessárias para colocá-los à disposição da população.
Na opinião do vereador, este programa, lançado em 2005, tem vindo a revelar-se um sucesso, não só com benefícios para os munícipes que exploram os pequenos lotes, mas também para o próprio município. Porque, como salienta o vereador, "a cidade não se faz só de asfalto, de betão e de jardins públicos".
Costa Neves realçou o facto de as hortas entregues serem, geralmente, "bem zeladas" pelos munícipes, registando-se somente três ou quatro casos em que a CMF se viu obrigada a retirá-las aos candidatos.
Excerto de notícia no Diário de Notícias, 31-07-2010 (http://www.dnoticias.pt/impressa/diario/221043/madeira/221085-funchal-ja-possui-200-hortas-urbanas)
Veja também o site Projecto Horta à Porta - Hortas biológicas da região do Porto: http://www.hortadaformiga.com/

Leiam sobre a Horta Popular da Mouraria – Graça (Lisboa) no blogue http://horta-popular.blogspot.com/ Aqui encontram também uma definição de
Horta popular:
De uma forma simples, uma horta popular ou comunitária é um espaço verde onde as pessoas se encontram e cultivam vegetais ou flores, num terreno comum ou dividido em pequenos talhões para cada hortelão. Ao contrário de outros espaços verdes da cidade, a sua manutenção é feita pelos próprios utilizadores do espaço e não por profissionais.
e muitas outras informações e notícias sobre este tema

Ainda sobre a agricultura urbana (II)

Publicámos já um post referindo benefícios da agricultura urbana (http://glocalfaro.blogspot.com/2010/03/agricultura-urbana.html). Eis mais algumas palavras lembrando a importância do tema:
A crise de combustíveis está a tornar visível «o sistema absolutamente precário e vulnerável» em que vivemos, alerta Manuela Raposo Magalhães, professora do Instituto Superior de Agronomia. Tendo em conta a subida constante dos preços do petróleo, explica, a produção de alimentos «tem de ser assegurada o mais perto possível do consumidor», diz. E, por isso, critica a “destruição” da capacidade de produção em torno das cidades, assente na ideia «de que é muito mais rentável o metro quadrado ser edificado do que produzir alimentos».
«As cidades devem ter produtos frescos na sua proximidade», declarou a arquitecta paisagista ao jornal Arquitecturas. Trata-se de uma questão de que, segundo a especialista, deve «ser integrada nos PDM [planos directores municipais] para criar as condições e agilizar o licenciamento destas actividades».
Excerto de notícia no Ambiente Online, 12-09-2008 (http://www.ambienteonline.pt/noticias/detalhes.php?id=6961)
O aumento das hortas urbanas tem causas mais profundas do que um simples modismo. A crise económica parece ter sido o catalisador do desejo de regressar as origens. "O que inicialmente era um passatempo, agora tem uma clara componente económica", afirma Benedita Chaves.
(…) Os benefícios da agricultura biológica de proximidade não se esgotam na poupança em legumes e hortaliças. Além de ser uma saudável e relaxante actividade física, as vantagens ambientais são inúmeras: reduz a poluição (por não usar químicos e poupar nos transportes), protege os solos e os lençóis freáticos e promove a biodiversidade, salienta Ana Cristina Costa, presidente do Núcleo de Braga da Quercus.
Excerto de notícia no Jornal de Notícias, 04-10-2009 (http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/interior.aspx?content_id=1380339)

A criação e/ou apoio a hortas urbanas é uma das formas de contribuir para a segurança alimentar nas cidades que tem vindo a ter significativo desenvolvimento - inclusive em Portugal! (brevemente post com exemplos aqui):
Já nos anos 80, o arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles defendia a importância destas hortas apontando alguns exemplos do que já há muito se fazia lá fora, em especial nos países da Europa do Norte, região que viu nascer este conceito. Mas para que as hortas urbanas se imponham enquanto fenómeno social não basta a boa vontade individual, terão que ser as autarquias a promover incentivos dando origem a projectos municipais. É que não está em causa apenas o acesso a novos terrenos. O acesso à agua para rega, a protecção ao roubo e ao vandalismo são também desafios que se colocam e aos quais é necessário dar resposta. Manuela Raposo Magalhães, arquitecta paisagista e professora do Instituto Superior de Agronomia vai mais longe e defende mesmo a integração das hortas urbanas nos PDM “para criar as condições e agilizar o licenciamento destas actividades”.

Mas como referimos já, outros tipos de iniciativas contribuem também para reforçar esta capacidade de produção de produtos alimentares frescos nas cidades ou suas proximidades – algumas delas em “pequena escala”, como:
. valorização de espaços urbanos desaproveitados para a produção agrícola/hortícola
 (incluindo "jardinagem de guerrilha"/"Guerrilla Gardening" :-)
. dar preferência à plantação de árvores de fruto nas cidades
. ou a “agricultura de varanda”!
( post com exemplos aqui)
     ... veja também por exemplo as Dicas em www.ecoideias.com, 08-04-2009 5 Alternativas à horta nas traseiras

Ideias para a acção 10/10/10 em Faro

Como já contámos (aqui), estamos a preparar a nossa participação no 10/10/10: The Global Work Party ou  "Um Apelo à acção"/Festa de trabalho.
A 350.org avança várias ideias quanto ao tipo de acção a realizar (vê http://www.350.org/pt/ideias).

Nós estamos ainda a decidir o que iremos organizar em Faro. Para a ajudar à discussão iremos postando aqui no blogue informação sobre algumas iniciativas que podem ser inspiradoras... Podes juntar as tuas sugestões como comentários aqui no blogue, escrevendo para o nosso email - ou juntando-te ao encontro de fim de tarde que estamos a combinar para a próxima semana (escreve para saber local e hora).

Adesão ao 10/10/10 em Faro em http://www.350.org/pt/glocalfaro1010

Comunicado Novo Endereço - Associação Al-Portel

A Associação Al-Portel - Associação de Defesa do Ambiente e do Património de São Brás de Alportel, vem pelo presente comunicar a alteração do seu endereço postal, que passa a ser o seguinte:
Apartado 50
8150-999 S. Brás de Alportel
Deste modo, toda a correspondência que pretendam endereçar é favor utilizar este novo endereço a partir da presente data, alteração que antecipadamente agradecemos e em relação à qual apresentamos as N/ desculpas pelo transtorno causado.

Saudações ambientais e patrimoniais
A Direcção da Al-Portel
Associação de Defesa do Ambiente e do Património Cultural de S. Brás de Alportel

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Serviço SOS Ambiente e Território

Serviço SOS Ambiente e Território: 808 200 520.
Este número está disponível 24 horas por dia para a denúncia de situações que possam violar a legislação ambiental e os instrumentos de ordenamento do território: deposição ilegal de entulho, poluição sonora, cortes de árvores, etc.

-> A linha é gratuita <-

Imagem:

domingo, 8 de agosto de 2010

10 / 10 / 10 em Faro

No próximo dia 10 de Outubro ocorrerá uma campanha de global mobilização para a redução do carbono/combate às alterações climáticas: 10/10/10: The Global Work Party ou (em português) "Um Apelo à acção" promovida pela 350.org e enquadrada na TckTckTck. Tal como aconteceu com a Vigília que realizámos a 12 de Dezembro de 2009, também desta vez quisemos pôr Faro no mapa das acções mundiais.
Por isso já nos registámos para participar!! (podes ver o evento e aderir em http://www.350.org/pt/glocalfaro1010 )
Estamos porém ainda a decidir que tipo de iniciativa queremos promover.
Dá-nos sugestões! Nós daremos mais notícias em breve

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

ÁGUA - Portugal reduz perdas de água em 15 por cento

As boas notícias não ficam por aqui: 94 por cento dos lares portugueses já tem água na torneira, aproximando Portugal da meta fixada no Plano Estratégico para o Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais para 2013. No entanto, um terço da população continua sem drenagem e tratamento de águas residuais.

Versão integral na edição papel do jornal «água e ambiente» de Julho 2010

terça-feira, 3 de agosto de 2010

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Oleões em Montenegro!

EQUIPAMENTOS:
Já foram colocados, em quatro pontos da Freguesia de Montenegro, oleões para óleos alimentares. Os óleos devem ser colocados em garrafas de plástico e posteriormente no oleão. Os locais de recolha são, na rua Júlio Dinis junto à rotunda desnivelada, rua Abel Viana com rua do Emigrante, rua Aquilino Ribeiro com rua Alberto Marques e na entrada para a Ilha de Faro.

Ajude-nos a melhorar o ambiente.
Junta de Freguesia de Montenegro

Fonte: Facebook

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Workshop Eco-Construção no Mediterrâneo

No âmbito das suas actividades, a Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da Universidade do Algarve (CRIA) encontra-se a desenvolver numa colaboração internacional até meados de Setembro de 2011 o projecto InsMED, financiado ao abrigo do Programa da Comunidade Europeia “MED 2007-2013”.
O projecto é liderado pela Câmara de Comercio e Industria de Marselha (França), tendo como parceiros a Universidade do Algarve (Portugal), a Câmara de Comércio e Industria de Messinian (Grécia), e a Universidade Politécnica de Barcelona (Espanha), visando a estruturação de um cluster de eco design/construção, e a difusão de tecnologias inovadoras na região MED.

Subordinado ao tema terá lugar no próximo dia 29 de Julho de 2010, na Sala de Seminários da Reitoria (Biblioteca Central) do Campus de Gambelas, o Workshop Eco-Construção no Mediterrâneo. O evento contará com contributos de uma empresa no sector e de investigadores da Universidade do Algarve, bem como a apresentação de resultados do projecto InsMED relativamente à estruturação do sector.
Neste sentido, gostaríamos de convidar V. Exa. a participar no evento, e contribuir para o desenvolvimento da temática.
As inscrições, a realizar até ao dia 28 de Julho de 2010, poderão ser realizadas através do endereço: Inscrição

sábado, 24 de julho de 2010

Número 2 (Junho) do volume 10 da Revista de Gestão Costeira Integrada

Foi recentemente publicado na forma de “e-journal” o número 2 (Junho) do volume 10 da Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management ( http://www.aprh.pt/rgci/).

Este número pode ser acedido no endereço http://www.aprh.pt/rgci/revista10f2.html, e integra os seguintes artigos:

Mudanças Climáticas e a Vulnerabilidade da Zona Costeira do Brasil: Aspectos ambientais, sociais e tecnológicos / Climate Changes and Vulnerability of the Brazilian Coastal Zone in its Environmental, Social, and Technological Aspects <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-206_Nicolodi.pdf>, de João Luiz Nicolodi, Rafael Mueller Petermann

Variação da linha de costa e balanço sedimentar de longo período em praias sob risco muito alto de erosão do município de Caraguatatuba (Litoral Norte de São Paulo, Brasil) / Long-term shoreline changes and sedimentary budget in beaches under very high risk of erosion in Caraguatatuba County (São Paulo Northern Coast, Brazil) <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-176_Souza.pdf>, de Celia Regina de G Souza, G. da C. Luna

Gestão ambiental integrada em Portos Organizados: uma análise baseada no caso do porto de Rio Grande, RS - Brasil / Integrated environmental management in Organized Ports: an analysis based in the Rio Grande port, RS – Brazil <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-171_Koehler.pdf>, de Pedro Henrique Wisniewski Koehler, Milton Lauforcade Asmus

Risco Ambiental na zona costeira: uma proposta interdisciplinar de gestão participativa para os Planos de Controle a Emergências dos portos brasileiros <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-173_Barros.pdf>, de Sergio R. S. Barros, Julio Cesar Wasserman, Gilson B. A. Lima

Avaliação das concentrações de metais pesados no sedimento, na água e nos órgãos de Nycticorax nycticorax (Garça-da-noite) na Baía de Sepetiba, RJ, Brasil / Assessment of heavy metal concentrations in sediment, water and organs of Nycticorax nycticorax (Black-crowned Night Heron) in Sepetiba Bay, Rio de Janeiro, Brazil <http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-186_Ferreira.pdf>, de Aldo Pacheco Ferreira, Marco Aurélio P. Horta, Cynara de Lourdes Nóbrega da Cunha
Ocorreu um erro neste dispositivo